The Perks of Being a Wallflower | Filme

8 out

Um dos filmes mais amados que eu vi nos últimos tempos: The Perks of Being a Walflower. Pelo que andei vendo, em português vai se chamar algo do tipo ‘As vantagens de ser invisível’, o que é bem literal mas soa mal pra burro.

The Perks

Mas vamos ao filme: Charlie, um garoto (interpretado pelo lindo do Logan Lerman) introvertido e excluído a vida inteira começa o High School. decidido a fazer amigos e ser feliz. E vou dar um spoiler: ele consegue. Logo nos primeiros dias conhece Patrick, o talentosíssimo Ezra Miller, e Sam, a lindinha da Emma Watson (Hermione para os Potterfans). E eles são sensacionais.

A Emma Watson deu um tapa na cara da sociedade e provou que ela não precisava ser a Hermione pra sempre. Ela tá arrasando e você até esquece o tanto que ela deve ter batalhado pra disfarçar o sotaque britânico. O Percy, quer dizer, o Logan Lerman também GRAÇAS A DEUS finalmente se livrou dessa sina de fazer franquias pobres e fracas e fez um papel lindo, que me arrepia só de lembrar ele tendo uma crise depressiva naquela cena do…Opa, to entregando. O Ezra Miller, sinceramente, se vocês ainda não viram Precisamos Falar sobre Kevin, vejam. Ou não vejam, porque traumatiza. Mas se esse menino não ganhar um Oscar nos próximos cinco anos eu perdi, de vez, a esperança na humanidade.

E pra você não ir pensando que o ponto alto do filme é a amizade adolescente dos três eu preciso adiantar que esse é só o cume da montanha desse roteiro. Através da amizade deles, Charlie se conhece, cresce e desenterra uns fatos bem incômodos do seu passado. É graças a esses dois amigos que ele aprende a ser gente grande – e to falando desde ficar loucão pela primeira vez até aprender que ser amado é possível e merecido. Apesar do tema quase infanto-juvenil a proposta é bem madura (juro, gente…não é nem Crespúsculo nem Hunger Games, nem nada remotamente parecido com isso).

O filme tá cheio de ensinamentos, de propostas de reflexão e de momentos de identificação e empatia – tenha sido você a vítima de bullying ou o popular implicante. Chorei que nem um bebê, porque me identifiquei, mas isso não precisa necessariamente acontecer com você.

E vamos combinar assim: assistam e depois a gente comenta junto, porque tenho essa mania chata de querer debater filme. E ninguém mais assistiu, então é sério, to pedindo por favor, assistam. O filme também tem um livro homônimo, no qual foi baseado. Ainda não li, mas já comprei. Bem curtinho e bem baratinho na Amazon, fica a dica.

 

Só mais um pedido: atentem para a melhor frase do filme: ‘We accept the love we think we deserve’.

 (Post por Jeana Mattei)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: